06 abril 2008

Azul


"Lisandro López é um especialista. Mas não é exactamente um especialista em golos como indicam os seus números sorridentes destes dias. A sua verdadeira especialidade futebolística é pisar um terreno para gerar o que não estava: um espaço onde não havia espaço, uma velocidade onde tudo era lento, uma surpresa onde faltava a estupefacção, um drible no meio de nada, uma cabeçada entre dez cabeças, uma canhota quando se entende como dextro, uma direita mas desde a esquerda."

O texto é de Ariel Scher, jornalista Argentino e retrata um dos jogadores preferidos do meu clube e dos poucos profissionais do futebol que eu consigo gostar. Data de 2004, de quando Lisandro foi o melhor marcador do torneio Clausura na Argentina onde Lisandro já demonstrava as qualidades que actualmente fazem dele um dos jogadores mais importantes do clube e do campeonato. Aqui o inseri como uma espécie de vénia ao Lisandro e porque a descrição para além de fidedigna, é muito bonita. Serve também, para abrir o post.

Mais um campeonato passa, mais um campeonato vencido pelo Futebol Clube do Porto. Este, conseguido no jogo que marcava a 25º Jornada. Faltam ainda 5 jogos para jogar, todos eles a feijões para nos, tamanha é a superioridade em todos os sentidos. Mais um campeonato onde tentam retirar mérito à equipa, ao clube. Onde se enchem capas de jornais com perfeitas futilidades (mais um eusébio, mais um violiono, sempre mais um qualquer coisa) onde não nos é dado o devido respeito, reconhecimento pelo trabalho feito cá dentro mas especialmente, além fronteira, onde o nome do país e da cidade Invicta é levado e elevado ao expoente máximo do sucesso. E quanto a isto só tenho a dizer uma coisa:
"Obrigado".
Todos vocês, fazem destas conquistas, algo que trás um sabor, uma realização, completamente impossíveis de entender e sentir para quem não é Portista. Que triste vida a vossa, passar ao lado de sentimentos tão belos.
Por cada seleccionador palhaço que insulta uma região com a vossa conivência, por cada medalha de reconhecimento nacional que não nos é dada, por cada processo mirabolante de suposta corrupção que nos é feito enquanto outros marcam jogos no Algarve e passam a semana a almoçar com os jogadores da equipa adversária sem que nada aconteça, por cada filme de guião duvidoso, por cada jornalista ressabiado, por cada capa de jornal centralista, por cada pergunta fora de tom e de lugar ("Lucho, vê-se no Porto na próxima época?" "Claro, estou muito bem aqui." Haha!), por tantas coisas, por tanto remar contra a maré, que o sentimento de uma vitória, por tão banal que elas sejam (e são, afinal, é o que sabemos fazer, vencer!) será sempre algo que vocês nunca irão, compreender, tocar, enfim, viver e que nos, eternos defensores da liberdade, rebeldes do poder central, modernos Caveleiros da justiça, sempre iremos sentir.
Continuemos a vencer. Ad Infinitum.

Obrigado a todos os intervenientes desta conquista. Presidente, Treinador (que soube evoluir e que já entende melhor o que é treinar o FCP), aos jogadores, especialmente ao citado Lisandro, ao grandioso Lucho Gonzaléz e ao Pedro Emanuel. Obrigado também ao R. Meireles que só pela simplicidade dentro do campo merece esta menção e ao Tarik, que alguns adeptos ainda não vislumbram a importância futebolística do homem.


Agora é a Taça. Tivemos azar no sorteio, calhou a equipa mais difícil. Mas é para vencer. E depois... segue-se o Tetra.

3 comentários:

Blondie disse...

Sublinho.
Partilho os sentimentos e emoções vividas pelo Futebol Clube do Porto.
Muito mais que vitórias e pontos acumulados, ser portista é experienciar um sentimento de plenitude, orgulho e realização colectiva.

Viva o Porto, viva o FCP.
Obrigada pelos dias felizes :)

bright* disse...

e este ano somos campeões desde Dezembro...

BIBÓ PUOORTO!!!

Menphis disse...

De todos os jogadores do FCPorto o meu favorito é mesmo o Lucho Gonzalez. Espero que ele não saia, pelo menos este ano.É um privilégio tê-lo na minha equipa.

e agora venha a dobradinha.